• Eliane Silva

Hora de sair

Um guia para transições de carreira sem estresse


Todos passam por mudanças repentinas nas suas carreiras.


A mudança pode vir de circunstâncias externas: talvez a sua empresa esteja reduzindo o quadro de efetivos, abrindo novas funções desafiadoras ou realocando funcionários. O impulso para a mudança também pode vir de dentro: talvez você não esteja mais satisfeito com o seu emprego ou você sente que aceitar uma determinada função foi um erro. Talvez você acredite que este é o momento certo para iniciar o seu próprio negócio. Para navegar com sucesso por estas transições, baseie-se em quatro princípios:

  1. Escolha – Você tem a coragem de tomar decisões com poder de mudar a sua vida e de aceitar a responsabilidade por estas decisões.

  2. Mentalidade – Você tem tolerância ao risco, confiança na sua capacidade de lidar com novos desafios e determinação para trabalhar duro em prol do sucesso.

  3. Agilidade – Você está pronto e é capaz de buscar outro caminho quando determinada escolha não funciona ou quando surge uma nova oportunidade.

  4. Confiança – Você aceita que não pode saber o resultado das suas escolhas, mas tem fé no caminho que escolheu.

“Com trabalho árduo e perseverança, e ‘confiança no processo’, você desenvolve uma fé forte, resiliente e quase inabalável que sustenta a sua determinação nos tempos bons ou maus.”

Estes princípios se interligam e influenciam uns aos outros. O princípio fundamental, que prepara o terreno para que todos os quatro princípios funcionem harmoniosamente, é a sua mentalidade.


Navegar com sucesso pelas mudanças requer uma mentalidade de crescimento.


Em seu livro Mindset: A Nova Psicologia do Sucesso, Carol Dweck argumenta que a sua atitude em relação a suas habilidades e talentos vai fazer toda a diferença no sucesso da sua carreira. Ela descreve duas mentalidades contrastantes: uma mentalidade fixa e uma mentalidade de crescimento. Pessoas com uma mentalidade fixa consideram as suas habilidades consolidadas e imutáveis. Por terem pouca fé na sua capacidade de desenvolver novas habilidades, estas pessoas evitam riscos e qualquer iniciativa com potencial para o fracasso. Aqueles com uma mentalidade fixa têm um medo paralisante do desconhecido; eles preferem aceitar a estagnação da carreira do que enfrentar a possibilidade de cometer um erro.

“A mentalidade de crescimento (...) pressupõe que todos podem mudar, aprender e crescer por meio de experiências, situações de riscos e determinação.”

Pessoas com uma mentalidade de crescimento abraçam a mudança e o risco. Elas consideram os erros ou contratempos não como sinais de fracasso, mas como oportunidades de desenvolvimento e aprendizagem. Estas pessoas aceitam que não podem prever todas as consequências de uma escolha, mas acreditam que, com muito trabalho, podem transformar qualquer experiência em algo positivo.


Você deve fazer escolhas para lidar com a mudança.


Fazer escolhas geralmente é difícil e pode ser especialmente penoso quando você está sob pressão financeira ou emocional. Sair de um emprego, principalmente como resultado de demissões, é sempre estressante. Você acaba sucumbindo a emoções e medos negativos, procurando a opção mais segura – contentando-se com o que você já conhece e limitando as suas oportunidades de crescimento. Para lidar melhor com a mudança, faça escolhas que atendam aos seus interesses e se adaptem às suas habilidades atuais e potenciais.

“Não fazer nada é considerado uma escolha e, muitas vezes, deve-se ao medo do que o futuro reserva.”

Antes de fazer uma escolha, você deve primeiro aceitar as circunstâncias e reconhecer que, independentemente de como você acabou em uma situação, a responsabilidade de fazer a mudança é sua. Não tente culpar outras pessoas ou sair se justificando. Reconheça que não é possível prever exatamente qual o resultado de determinada escolha. No entanto, você tem o poder de transformar qualquer resultado em uma experiência de aprendizagem positiva caso esteja disposto a trabalhar neste sentido.

“Viver e aprender no presente permite que você faça ótimas escolhas para o futuro.”

A história da carreira de Karen Stevens, por exemplo, demonstra como fazer escolhas ousadas, correr riscos e se esforçar pode levar a resultados empolgantes. Aos 20 anos, ela se mudou para a Califórnia em busca da sua paixão pela atuação. Na época, ela estava no primeiro ano da universidade, abandonou o curso e se matriculou em uma pequena faculdade de artes liberais onde poderia estudar teatro. Após a formatura, Stevens trabalhou como recepcionista e atuava no teatro à noite. Finalmente, após concluir que nunca ganharia dinheiro suficiente para se sustentar nesta profissão, ela voltou para a universidade para fazer um mestrado em psicologia.

O seu plano original era se tornar terapeuta, mas conforme progredia, ela descobriu que não se interessava pela terapia. Stevens arrumou um emprego de garçonete. Esta é uma ilustração perfeita da maneira mais produtiva de navegar por suas escolhas: Stevens decidiu que, mesmo após gastar todo aquele dinheiro e tempo, a psicologia era a cartada errada para a sua vida. Por isso, ela se voltou para outro tipo de trabalho por um tempo, mas manteve a sua atitude voltada para o futuro.

Stevens assumiu o risco de mudar para um campo inteiramente novo como recrutadora para uma empresa de tecnologia. Mais tarde, ela assumiu um cargo semelhante no ambiente empreendedor de uma pequena startup e floresceu em um papel de liderança. Após o término do seu contrato com a empresa, Stevens avaliou trabalhar em outras pequenas empresas, inclusive atuando como cofundadora de uma startup de tecnologia. Por fim, ela decidiu aceitar um novo desafio: um cargo em uma empresa de consultoria global. Ela tem trabalhando nesta empresa desde então, feliz com a sua escolha.


Para navegar pelo caminho escolhido, seja ágil.


A agilidade é útil em tempos de adversidade e se mostra um atributo poderoso quando você precisa se recuperar de uma demissão ou percebe que o seu emprego atual não é mais satisfatório. Aqueles com uma mentalidade voltada para o crescimento mergulham em busca de algo melhor e – sendo ágeis – acreditam que vão encontrar um novo caminho para progredir. E caso esta não seja a direção certa, eles dão meia-volta e avaliam o que aprenderam com a experiência.

“Para alguns, a agilidade surge em tempos de adversidade e, para outros, agilidade é olhar para o futuro.”

Com agilidade, você pode buscar oportunidades mesmo não estando certo de que sejam as melhores escolhas. Mike Herrera, por exemplo, demonstra como a agilidade desempenha um papel na construção de uma carreira gratificante. Desde criança, Herrera era fascinado por matemática e física. Depois de se formar na Caltech, ele conseguiu um emprego como professor de álgebra em um colégio. Ele adorava trabalhar com os alunos, mas se cansou de se concentrar em álgebra.

Uma oportunidade surgiu quando ele soube que a Claremont Graduate University estava oferecendo um programa de pós-graduação em engenharia financeira, um campo que aplica a matemática para projetar modelos científicos de questões financeiras. Ele obteve o seu diploma de Mestre em Ciências e foi trabalhar para a Goldman Sachs em Nova York e mais tarde na Califórnia. Ele fez outras mudanças que o levaram a uma função que considerou particularmente satisfatória, trabalhando principalmente com gestão de dados de armazéns. Este trabalho terminou quando a empresa demitiu um quinto da sua força de trabalho.

Diante de outra procura de emprego, Herrera poderia ter caído na armadilha de tentar encontrar um trabalho que combinasse perfeitamente com o seu conjunto de habilidades. Em vez disso, ele reduziu os seus critérios de pesquisa até chegar ao que considerava a sua paixão fundamental: trabalhar com dados. Ele conseguiu um emprego gerindo dados de uma empresa e apresentou habilidades complementares que acabaram beneficiando os negócios.

A história de Herrera mostra como a agilidade trabalha lado a lado com a escolha e a confiança. Ter agilidade envolve mais do que assumir funções diferentes: trata-se de encontrar e investir em novas situações que ajudem você a progredir.


Confie no seu processo para continuar avançando em direção aos seus objetivos.


A confiança é provavelmente o princípio mais difícil de manter em meio às mudanças das circunstâncias de uma carreira. Ter confiança significa aceitar que você não pode saber as consequências de cada escolha que fizer. Você precisa abrir mão do controle sobre os eventos e acreditar que pode tornar cada etapa da jornada uma experiência positiva, mesmo que, no final das contas, decida que deu um passo errado.

“A confiança é fundamental porque você não pode ficar duvidando de cada decisão ou nenhum trabalho será realizado.”

A trajetória da carreira de Matthew Levy mostra como uma pessoa pode aliar confiança e agilidade para suportar as adversidades e correr os riscos necessários para seguir em frente, valorizando a adversidade como um combustível do avanço da carreira. Levy se formou em administração de empresas na Ithaca College e conseguiu um emprego em vendas após se inscrever em um curso de vendas. Ele cresceu no seu cargo, embora envolvesse ligações não solicitadas, uma das tarefas mais difíceis em vendas. Ele deixou o emprego depois de um ano, e assumiu o cargo de executivo de RH em uma loja de departamentos. A seguir, ele se voltou para a indústria farmacêutica, trabalhando na Filadélfia e depois na Califórnia.

Com o desenrolar da recessão de 2009, Levy perdeu o emprego. Ele transformou este contratempo em uma oportunidade de avançar para o degrau seguinte: fundar a sua própria empresa de coaching de carreiras para pessoas que haviam perdido empregos em cargos executivos.

“Se você persistir, confiar em si mesmo e se movimentar com agilidade ao longo do caminho, você vai sempre sair vitorioso.”

Foi em outra situação adversa que Levy encontrou o seu chamado mais significativo. Ele recebeu um diagnóstico de linfoma não-Hodgkin estágio IV e um prognóstico de morte em 90 dias. Ele venceu o câncer, e a experiência inspirou a sua decisão de assumir um cargo em uma empresa de biotecnologia que pesquisava tratamentos para o câncer no sangue.

Ao longo da sua carreira, Levy demonstrou uma confiança inabalável no processo. Ele considerava cada passo uma oportunidade de crescimento. Ele encarou o seu diagnóstico de câncer como uma ferramenta de aprendizado, que eventualmente lhe rendeu o emprego mais gratificante da sua carreira.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo