• Eliane Silva

Muito além do óbvio

O poder das atitudes certas para criar ambientes inovadores


Para inovar, encare o mundo de novas maneiras. Faça perguntas para descobrir novas informações e insights que vão permitir que a sua empresa desenvolva grandes ideias que outros acabam deixando passar. Perguntar permite que você tenha uma perspectiva externa imparcial, saindo da sua zona de conforto e questionando tudo a respeito da sua empresa e seus métodos.

“Gerar e executar grandes ideias é a chave para se manter à frente em um mundo em rápida mudança.”

Aprenda a convencer os mais resistentes a apoiarem os seus conceitos inovadores.


Os assassinos da inovação na sua empresa, aqueles anticorpos empresariais traiçoeiros, respondem a cada nova ideia com um “não” redondo. Muitas vezes, estes opositores são funcionários mais antigos ou aqueles que se enraizaram tanto nos cargos que temem qualquer mudança e encaram toda a inovação como uma ameaça. Os inovadores precisam aprender a convencer os resistentes. As reações dos anticorpos empresariais caem geralmente em quatro categorias:

  1. A resposta do ego. A objeção típica é: “Eu já pensei nisso há muito tempo”. Você vai ouvir isso quando o seu novo plano desafiar a posição e a autoimagem dos anticorpos empresariais que se consideram as pessoas mais importantes na sua empresa. Demonstre que a sua nova ideia não vai prejudicar ninguém nem ameaçar posições. Tranquilizados, eles tendem a comprar a ideia.

  2. A resposta da exaustão. A objeção típica é: “Isso nunca vai ser aprovado”. Alguns anticorpos empresariais esgotados já tentaram sem sucesso que novos planos decolassem. Para tirar estas pessoas de uma postura derrotista, apresente a sua solução de acordo com uma progressão que possa ser abraçada pela organização com passos incrementais.

  3. A resposta da segurança. A objeção típica é: “O retorno sobre o investimento é insuficiente”. Os anticorpos empresariais acreditam que o seu conservadorismo protege a empresa contra teorias impraticáveis. Para conquistar o apoio, demonstre que a sua iniciativa vai aumentar os lucros da empresa. Mostre que a sua ideia representa poucos riscos.

  4. A resposta de conforto. A objeção típica é: “Não mexa com o que está quieto”. Tente mostrar aos pessimistas que objetivos mudam com o tempo.

Coloque as suas melhores ideias para funcionar utilizando o “Método FIRE”.


“Foco, Geração de Ideias, Ranking e Execução”. Este sistema ajuda a encontrar e selecionar as melhores ideias. Foco envolve identificar as áreas em que pretende inovar: seus consumidores, serviços, preços, distribuição, marketing, P&D, identidade da marca e assim por diante. A geração de ideias tem a ver com implementar as perguntas poderosas para descobrir grandes ideias. O Ranking, ou classificação, leva você a escolher quais novas ideias são as mais promissoras e criativas. Faça cinco perguntas a cada ideia e classifique as respostas. Prossiga com os conceitos que apresentam as melhores pontuações acumuladas. As perguntas são:

  1. Como essa nova ideia pode melhorar a experiência do seu cliente?

  2. Como a ideia altera o seu posicionamento no mercado em relação à concorrência?

  3. Como isso afeta a estrutura financeira do setor?

  4. Como a sua empresa pode contribuir para o mundo como um todo?

  5. Esta nova ideia pode gerar o lucro necessário?

“Os anticorpos empresariais podem retardar o crescimento de uma empresa, no momento em que bloqueiam as novas ideias e os pensadores não convencionais dos quais aquela tanto necessita.”

A Execução torna o processo criativo mais significativo. Utilize o modelo de financiamento fechado para encaminhar ao mercado a sua proposta de solução. As novas ideias devem passar por portões de pré-seleção para verificar se as mesmas se qualificam para obter recursos e financiamento. Os portões são:

  1. Validação do mercado – Confirme se a sua proposta satisfaz uma necessidade do mercado.

  2. Validação do cliente – Teste a ideia utilizando protótipos com clientes reais.

  3. Lançamento limitado – Venda o produto final em um mercado selecionado.

  4. Lançamento mundial – Amplie o mercado e distribua ali o seu novo produto.


Tanto empresas como indivíduos podem seguir um sistema prático, passo a passo, visando fomentar a inovação.


Para ajudar a sua empresa a se beneficiar da produtividade de tantas mentes criativas quanto for possível, promova workshops de inovação para obter novas ideias. Siga seis regras:

  1. Defina um foco – Perspectivas múltiplas precisam de um alvo para serem produtivas.

  2. Atribua duas perguntas poderosas como dever de casa – Forneça as perguntas antes do workshop. Certifique-se de que todos estão cientes de que devem realizar um trabalho de campo para obter as respostas.

  3. Incentive a investigação – Os participantes devem consultar os clientes atuais.

  4. Retire os filtros – Os participantes devem estar alertas contra os pressupostos habituais.

  5. Defina um calendário para a geração de ideias e atenha-se ao mesmo – Trabalhe dentro de um prazo e garanta que este seja respeitado.

  6. Ranking não é nada de outro mundo – A maneira mais eficaz de classificar as suas melhores ideias é avaliando os seus conceitos, comparando-os entre si.

“O importante não é mais o que você consegue fazer com as mãos, mas o que você pode gerar utilizando o seu cérebro.”

O objetivo deste exame é fazer perguntas novas e agir de acordo com as informações recém-descobertas. Como todos os sinais de mudança, essas perguntas podem parecer assustadoras, mas as empresas que se aventurarem com ousadia rumo a novos caminhos podem acabar estabelecendo o padrão para o setor, além de ter a primazia em novos mercados.

“Ideias sem execução é um mero hobby.”

A informação por si só já não possui mais o antigo prestígio; hoje a inovação é uma moeda muito valorizada. E aqueles que pensam e atuam de novas maneiras serão os inovadores mais produtivos e procurados. Quando se trata de inovação e ideias, ninguém pode controlar você. Ninguém pode dizer que a concepção de novas ideias não faz parte da descrição do seu trabalho. Posicione a sua carreira com o entendimento de que, em meio à grande demanda do mercado por inovação, somente conhecimentos e habilidades já não são suficientes. Para ajudar a sua empresa a cobrir o seu déficit de inovação, você deve fazer perguntas criativas e oferecer novas ideias. Isso vai fazer de você um “evangelista da inovação” e um colaborador fundamental na economia criativa.




1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo